“Tudo é considerado impossível até acontecer”

A COLUNA DE RUI CÉSAR VASCONCELOS LEITÃO

Procuro sempre tomar como reflexão de vida essa frase de Mandela. Nas horas em que me vejo diante de dificuldades, achando que não há saída para os problemas enfrentados, valho-me desse pensamento, para retomar o ânimo, evitando me colocar como refém emocional da desesperança, do desalento. Assim, nunca me sentirei incapaz de criar, enfrentar desafios, me mover, buscar ser feliz.

Os que se satisfazem com a monotonia da vida, estão sempre a inventar desculpas para não reagir diante dos percalços. Conformam-se com os acontecimentos inesperados, resignando-se às intempéries porque não se sentem capacitados a promover reversões de quadros adversos. Esses nem conseguem sonhar. Porque entendem que os sonhos são impossíveis de se tornarem realidade.

O impossível só existe para os fracos. Bem diz Mandela ao afirmar que as impossibilidades admitidas não permitem os acontecimentos desejados. Além da crença no próprio talento e disposição, a fé em Deus oferece energia para a superação de obstáculos e a perspectiva de êxito nos projetos idealizados, por mais difíceis que possam parecer.

Existe outro pensamento célebre a respeito, proclamado por Napoleão Bonaparte: “o impossível é o fantasma dos tímidos e o refúgio dos covardes”. A omissão não produz a vitória, a passividade é característica dos fracos, o medo é desculpa dos pusilânimes. Enquanto houver gente que não acredita na capacidade de reação, haverá os que se valem desse espírito de renúncia, conformação com as coisas, submissão ao que chama de “destino”, para impor suas vontades e anular projetos e ideais.

Crises existem para serem encaradas com coragem e destemor. A indiferença reduz as oportunidades de tornar o que se imagina impossível no exequível. A renúncia à luta, por mais penosa que seja, abre espaço para o fracasso, o derrotismo, à subserviência consentida. Quero tirar a palavra “impossível” do meu dicionário.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *