Segundo caso de meningite é confirmado no Sertão da Paraíba em 2020

Menina de 8 anos é da cidade de São José de Piranhas.

TATYANA
0
AM3 – 250×250

O segundo caso de meningite em menos de uma semana no Sertão da Paraíba foi confirmado na manhã desta sexta-feira (21) pela Secretaria de Saúde do Estado. Uma menina de 8 anos da cidade de São José de Piranhas, no Sertão, foi diagnosticada com meningite pneumocócica.

De acordo com a superintendente Mônica Paulino, a criança deu entrada em estado grave no Hospital Universitário Júlio Bandeiras, em Cajazeiras, no Sertão, na terça-feira (18). Os exames diagnosticaram a meningite pneumocócica e ela foi transferida para Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Infantil de Patos na quarta-feira (19).

Segundo o secretário de Saúde do Estado, Geraldo Medeiros, a meningite pneumocócica não oferece o risco de transmissão. “Somente nos casos de meningite meningocócica é que há necessidade da prevenção, não só com a utilização das doses de antibióticos durante um determinado período de tempo para evitar que as pessoas que tiveram contato com o paciente possam adquirir a doença”, explicou.

Conforme o secretário, o Ministério da Saúde oferece a vacina contra a bactéria meningococo C, além de outros três imunizantes que protegem contra a meningite: a vacina pneumocócica, a BCG (que protege contra a meningite tuberculosa) e a pentavalente (que oferece proteção contra a bactéria Haemophilus Influenzae sorotipo B). A vacina meningococo A W Y só está disponível de forma privada.

De acordo com a secretaria, a menina continua internada na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Infantil de Patos, no Sertão, em estado de saúde de saúde estável. Não há possibilidade de transmissão da doença.

Mais um caso

Na última quarta-feira (19), em Cajazeiras, uma criança, também de 8 anos, morreu devido a uma meningite bacteriana do tipo meningocócica. Ela teria dado entrada no hospital em estado muito grave, mas teve morte cerebral no segundo dia de internação por não possuir chances de recuperação.

Pessoas que tiveram contato direto com a paciente precisaram passar por um tratamento de quimioprofilaxia, indicado para doenças facilmente contagiosas.

FONTE: G1
ELIANE BANDEIRA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.