Quinquilharias

Foto ilustrativa
1
AM3 – 250×250

Dentro das gavetas do pensamento há aquela poeirinha esquisita de mágoa, que vai se amontoando com outras poeirinhas que entraram com o vento. Sim, entraram. Entraram com o vento, depois de abertas naquele dia propício a pequenos ranços enlatados em suposições. Cada suposição mergulhou numa reclamação enrabichada em outros pensamentos, de outras gavetas de ideias. Cada ideia conteve, em sua essência, um fragmento de quase certeza, aspecto duvidoso de coisa pensada e polida com garatujas de frases feitas. Chamemos os bombeiros.

O armário de sentimentos é poluído, pouco a pouco, sem que a pessoa perceba que cada papel foi sucumbido à colônia de traças enganosas, as mesmas que contaminaram os grandes planos que ainda se construíam. Para articular o cemitério de bugigangas, o pensamento, se não vigiado, vai se aglomerando num canto de parede, cujas aranhas em teias recém-descobertas serão as próximas a confabular segredos. Se não vigiada, cada cera de pensamento vai, de forma amalgamada com outras ceras, assando um bolo de machucados, com feridas semiabertas, prontas para a apreciação dos mosquitos.

Muitas vezes, se não vigiado, o pensamento vem com os próprios mosquitos, estes com capacetes superpotentes, capas heroificadas, e prontos para o ataque. Vêm, ainda, na mesma comitiva, tabletes de ilusões. Caso não tenhamos o mínimo de cuidado, cada ferpa vai se coisificando nas cortinas da memória e formando um alambrado de recordações que nem deveriam ter sido erguidas.

Outros insetos são ativados, aqueles microscópicos, e as quinquilharias ganham voz. Quando pensamos que não, já falamos. Pois é. Desse jeito é o universo dos pensamentos, os primeiros a largar na corrida, querendo chegar a um pódio qualquer, a depender da direção da nossa carreta. A cada vontade surrupiada pela mudança de tempo, o pensar começa a ser governado por um besouro, daquele mesmo modelo que circula a lâmpada. Voltas e voltas. Voltas e voltas.

Cada raspa de grude no coração é um zíper se abrindo, lentamente. Abre em tom de suspense, para que bactérias do além, montadas em dromedários do passado, possam operar num violento murmúrio. Esse tipo de passado, que não volta ou auxilia, é feito datas mumificadas, que provocam uma caravana de restos de sujeira, aqueles lixos que dependem de uma boa vassourada com pinho e eucalipto. Cloro também, para inteirar o pacote de lembranças. Quem estaria livre desses guardados. Quem estaria totalmente em dia com as sensações. Quem. Pergunto.

Cada tablete de pensamento, em camadas e camadas de desejos, flutua num silencioso cofre de sonhos. Sonhos que podem até ser realizados. Sonhos que podem até favorecer um mundo mais tranquilo. Sonhos que podem até ser compartilhados. Sonhos que podem até ser trilhados num caminho mais pueril. Sim. Ao som de doces melodias, ao som de sabiás, ao som de corais natalinos, ao som de crianças brincando na hora do recreio. Sim. Pensamento é arte.

FONTE: BLOG PALAVRAS E CORES
ELIANE BANDEIRA
1 comentário
  1. Aila Diz

    E que otima sensação que é poder limpar aquelas poeiras do passado e abrir espaço para novos sonhos. As bacterias do além montadas em dromedário é ótimo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.