Categorias
COLABORADORES

Quando a fome bate à porta, muitos tentam se afastar

POR RAFAEL HOLANDA

Quando a fome bate a porta, muitos tentam se afastar.

Da miséria que campeia os meninos a chorar, na tristeza infinita por não ter onde morar.

É duro seu moço eu sei, das dores que me acompanham, sem emprego e sem lenço para enxugar as lágrimas.

E cada, um sepultar seja do filho ou esperança, que guardo como lembrança no anoitecer da saudade.

O Deus que olha não enxerga, minhas quedas e feridas que não cicatrizam, pois eternamente serei espinho e nunca flor nesta vida.

Por RAFAEL HOLANDA

Médico e escritor. Reside em Campina Grande-PB.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *