Política, Cotidiano, Esportes, Memória & afins

O tenente Sabino de Sousa Coelho

AM3 – 250×250

calcadao-antigo_459x600

O povo está desestimulado e sofrido ante o desmantelo, a insegurança e a incapacidade administrativa. Vai mal a saúde, a educação e a falta de segurança amedronta a todos nós.

Quando o gaúcho Leonel Brizola faleceu, um colunista do O Gazeta, cujo nome não recordo, mandou um recado à Brizola, perguntasse ao Senhor Deus, porque desapareceu a palavra honestidade, acrescente-se: e a vergonha.

A minha presença aqui é falar, mais uma vez, de um grande vulto da nossa história; refiro-me ao Ten. Sabino de Sousa Coelho, filho de José Coelho Meireles, nascido na Barra da Timbaúba, filho de Antônio de Sousa Dias e sua mulher Maria Coelho da Cunha. Em 1810, pouco mais, pouco menos, morre Domingos Coelho, deixando fazenda, gado e animais para sua filha Maria Coelho da Cunha. Por determinação de sua mãe, José Coelho Meireles segue para o Jaguaribe, mais precisamente para a fazenda Sobrado, afim de receber e administrar a herança de sua mãe. No Ceará, Meireles casa-se com uma sua parente da família Coelho, tornando-se, mais tarde, pai de uma famosa e robusta criança que recebeu na pia batismal o nome de Sabino.

Sabino cresceu na fazenda, ajudando seus pais na labuta diária, apaixonando-se, inicialmente pelos rodeios; aos vinte anos de idade, já tinha fama como vendedor de gado, trazendo suas boiadas do Piauí, para negociá-las nos Estados do Ceará, Paraíba, Alagoas e Pernambuco.

Numa dessas andanças, possivelmente em 1835, visita a família de seu pai, no bonito povoado das cajazeiras. De cara, apaixonou-se por uma de suas primas, bonita, bela, atraente e educada. Seu nome: Maria Florêcia das Virgens, irmã do Padre Mestre, filha de Vital de Sousa Rolim e sua esposa Ana Francisca de Albuquerque, os fundadores do povoado, vila e depois cidade de Cajazeiras.

No ano seguinte, em data que não guardamos, a Vila testemunhou e festejou o casamento do ano, celebrado pelo Padre Mestre Inácio de Sousa Rolim, eclesiasticamente trajado e assistido pela família e convidados.

O Tenente Sabino foi um dos maiores coadjuvantes da obra desenvolvimentista de Cajazeiras, notadamente na parte referente a construção civil. Edificou, na rua Padre Rolim, partindo da casa de Dona Santana, fundos da Igreja matriz, até a esquina onde funcionou uma Agencia do Correio, virando foi até o prédio onde funcionou Carvalho & Dutra; daí continuou construiu até o prédio onde funcionou a antiga farmácia do Dr. Higino Rolim. Edificou os prédios e as residências de maior importância na cidade; também construiu quase todos os “quartos” que rodeiam o mercado central. Na opinião de alguns dos seus biógrafos, o Tenente Sabino foi uma das figuras de maior projeção na história de Cajazeiras, onde viveu quase toda sua longa e fecunda existência, constituindo uma prole ilustre que até os dias atuais tem honrado o seu passado de grande benfeitor da terra onde viveu. Faleceu no dia 13 de dezembro de 1907, com 92 anos, deixando numerosa descendência. Seus filhos:

1-Raimundo Cesinando Coelho, político do partido liberal, administrou Cajazeiras na qualidade de Presidente do Conselho Municipal de 1880 a 1884. Foi casado com Maria Loureça da Circuncisão, nascida em Quixabas em 1842 e falecida em Cajazeiras, a 28 de fevereiro de 1916. Seus filhos: A-Dom Moises Coelho; B-Monsenhor Sabino Coelho; C-Doutor Acácio Coelho; D-José Vieira Coelho; E-Juvenal Coelho; F-Crispim Coelho. Avós de Dom Carlos Coelho, Arcebispo de Olinda e Recife; Dr. José Vieira Coelho, Presidente Nacional da Liga Eleitoral Católica; Dr. Mauro Coelho, Juiz de Direito no Rio de Janeiro; Dr. Moisés Gouveia Coelho, médico da Base Aérea do Galeão; Dr. Moises Guimarães Coelho, Professor da Escola de Agronomia de Areia e Dr. Bonifácio Coelho, Cirurgião Dentista em João Pessoa.

2-Vitória de Sousa Rolim, casada com seu primo Comandante Vital de Sousa Rolim, sua descendência foi mostrada em “O Comandante Vital”.

3-Domingos Leôncio de Sousa Coelho, nascido em Cajazeiras, em 1845, onde casou-se com Rita Leopoldina do Couto Cartaxo, no dia 20 de outubro de 1869. Seus filhos: A-Ana de Sousa Cartaxo Coelho, casada com Aprígio Bezerra, não tiveram filhos; B-Maria de Sousa Cartaxo Coelho, casada com Januário Sigisnando Coelho. Sem filhos; C-Ursulina de Sousa Coelho, casada com Vital de Sousa Rolim Filho. Domingos Leôncio casou-se pela segunda vez com Maria das Dores Soares, sendo seu descendente o Padre José Sinfronio.

4-Felismino de Sousa Coelho, nascido em Cajazeiras em 1852; político eleito em 1893 membro do Conselho Municipal. Casou-se a 26 de abril de 1887 com Maria Santana Lins de Albuquerque, nascida em 1864, filha de João Lins de Albuquerque e Antonia Vieira do Sacramento. Não tiveram filhos;

5-Rita de Cássia Assis, nascido em 1854, casada com Francisco Vieira de Sousa Assis, (O Tenente Sousa Assis), natural de Quixabas, onde nasceu em 1864. São seus filhos: Sabino Matias de Assis, José Sinfrôio de Assis, Emido Assis, Ana Emerique Coelho, Maria Fortunata Assis e Vitória Assis Moreira. 6-Henrique de Sousa Coelho, nascido em 1856 e falecido a 23 de fevereiro de 1923. Político, presidiu o Conselho Municipal de sua terra. Casou-se no dia 7 de junho de 1887 com Vitalina Felinto de Albuquerque, filha de João da Cruz Albuquerque, (Janjão da Picada) e sua mulher Teresa Maria de Jesus. Entre seus filhos destacamos o Cônego Gervásio Coelho.

7-Hermenegildo de Sousa Coelho;

8-Virgolino de Sousa Coelho e

9-Ana de Sousa Coelho, religiosa da Ordem fundada pelo Padre José Antônio de Maria Ibiapina, nascido em 1806 e falecido em 1883, considerado apostolo da fé, do amor e da caridade.

JOÃO ROLIM DA CUNHA PARA O GAZETA DO ALTO PIRANHAS - ED. 329
TATYANA
ELIANE BANDEIRA
1 comentário
  1. Maria Emilia Guimaraes Araruna Diz

    Parabéns pelo blog, adorei conhecer um pouco mais da história dos meus antepassados. Sucesso!!!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.