O herói João do Couto Cartaxo


20140817_111909_800x450

Um tiro na liberdade e outros nos corações do povo de Cajazeiras. As balas dos bacamartes dos cangaceiros da Serra do Bonga, Distrito de Santa Fé, Ribeira do Rio Piranhas, na Paraíba, que mataram João do Couto Cartaxo, completa neste dia 18 de agosto 142 anos, chefiados pelo Alferes João Pires Ferreira, do Partido Conservador, ecoaram em todos os recantos do Brasil.

Os cangaceiros entraram na Vila de Cajazeiras e acamparam no patamar da Igreja Matriz, às duas horas da madrugada do dia 18 de agosto de 1872 e fizeram uma fogueira para dançar e cantar:

“Balança os cachos, balança os cachos!…

Chegou a hora de Santa Fé-é-é-é!

Terra de cabra macho é-é-é-é!

Pra votar nas Cajazeiras!…

Terra da “muié” macho-é-é-é!

E dos irmãos Cartaxos-é-é-é!

Balança os cachos…”

E às nove horas da manhã, chega o grupo eleitoral, chefiado pelo Tenente João Antonio do Couto Cartaxo, do Partido Liberal e em frente da Igreja foi fuzilado com mais dois companheiros: Bernardino Sena e Inácio Silva.

Neste dia 18 de agosto estava designado para eleição de vereadores e juizes de paz. Este fato pela sua significação política foi motivo de debates entre os congressistas da Côrte.

Cajazeiras vivia momentos tensos e de grande agitação política, desde a sua emancipação, ocorrida em 23 de novembro de 1863. O povoado havia sido elevado à categoria de Vila. No período que passou como Vila, a vida política do município foi perturbada por uma sucessão de episódios que inquietaram o seu povo, cujo desencadeamento dos fatos tiveram conseqüências funestas: em 1867, teve duas Câmaras Municipais, uma nova e outra velha, comandadas uma pelo Partido Liberal e outra pelo Partido Conservador; no ano seguinte, em 1868, o povo foi abalado pelo brutal assassinato do Tabelião José Leandro Soares, motivado pela cegueira político-partidária.

Esses momentos de triste violência desencadeou na chacina e no sacrifício do jovem Tenente João Cartaxo, em 1872. Felizmente toda esta agitação durou apenas o tempo em que Cajazeiras permaneceu como Vila. Ao ser conduzida ao predicado de cidade, em 10 de julho de 1876, livrava Cajazeiras do signo da violência.

Em 5 de novembro de 1876, o Tribunal do Júri absolveu o Alferes João Pires Ferreira, apontado como responsável pelo assassinato de João Cartaxo e logo no dia seguinte, o bacharel Joaquim José da Fonseca, procurador de Ana Josefa de Jesus, mãe do Tenente Cartaxo, recorreu da decisão do Tribunal do Júri que absolveu o Alferes João Pires.

O Tenente João Cartaxo, que é tio-avô de Otacílio Dantas Cartaxo, falecido recentemente, se constituiu, em vida, num dos grandes defensores da preservação da memória do seu ilustre parente. Otacílio, em 1972, no centenário de morte fez aposição de uma placa de bronze, alusiva ao fato, que foi fixada, inicialmente, na parede externa da Igreja Matriz de Nossa Senhora de Fátima e posteriormente deslocada para a lateral da Praça Nossa Senhora de Fátima. No ano de 2000, o mesmo Otacílio, depois de uma luta grande junto ao poder público municipal, conseguiu um local para erguer um monumento em homenagem a João Cartaxo, que foi inaugurado no dia 18 de agosto de 2000 e está localizado na Praça Nossa Senhora de Fátima.

João do Couto Cartaxo é o nosso herói, morreu em defesa dos seus ideais e em defesa de Cajazeiras.

JOSÉ ANTONIO DE ALBUQUERQUE PARA O GAZETA DO ALTO PIRANHAS

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *