O adeus a Marizete

A COLUNA DE REUDESMAN LOPES FERREIRA

POR REUDESMAN LOPES

TATYANA
AM3 – 250×250

[dropcap style=’box’]Q[/dropcap]uando cheguei em Cajazeiras para exercer o magistério como professor de Educação Física, encontrei muitos colegas neste exercício e, como gosto de me relacionar bem com as pessoas, logo fui me encostando, um a um, observando-os quanto a possibilidade de fazer-me amigo.

Uma época em que tínhamos professores, em sua maioria, vindos de outras graduações, mas, como não existia graduados para atender a necessidade, estes, com a sua competência e o seu comprometimento estavam aptos a exercer tamanha responsabilidade.

Pois bem, uma destas professoras era Marizete, que trabalhava no Colégio Comercial, mas, desta feita, não fui eu que a procurou, ela mesmo que veio a mim e este nosso primeiro encontro jamais me saiu da memória e o guardo como uma lição de vida e pela primeira vez faço essa revelação.

Alegre, humilde, como sempre foi e assim cativava a quem teve a honra de desfrutar da sua amizade, Marizete chegou para nós e falou: ”Professor quero que o senhor me ajude”. Fiquei imaginando o que seria essa ajuda e, perguntei-a qual ajuda. Novamente: “O senhor é “formado” eu não sou, quero que me fale sobre as aulas que estou ministrando, se estou certa, é assim mesmo?”. Dei uma sonora risada e ela começou a rir também. Falei: “Marizete querida eu que estou a aprender contigo, essa sua vontade de fazer bem feito me encanta”.

Cajazeiras  mostrou por muitos tempos a força e a vontade destes nossos professores e a Educação Física lhes rende muitas homenagens, Marizete é uma destas. O seu falecimento, empobrece a todos nós, a dor da sua ausência vinda pela saudade, decerto nos fará lembrar a mulher, a mãe, avó, amiga que ela foi em vida. Vou sempre tê-la na minha memória como sendo um fruto da alegria que passava a todos nós. Vê-la triste? Com cara amarrada? Jamais. Ela é, foi e continuará sendo a essência da vida bem vivida, do convívio da paz e do amor com o seu esposo Celso, seus filhos, netos e amigos que tiveram-na por esses 71 anos.

E, por falar nessa sua idade, pergunto como nordestino sertanejo: “Quem dava a Marizete 71 anos de idade?”. Creio que ninguém, mas, essa sua jovialidade que sempre aparentava era fruto do seu modo de viver vem da sua permanente alegria de encarar as boas coisas, bem como as dificuldades que a vida nos impõe. Vou concluir, enfatizando que hoje, são poucas as Marizetes que vimos em nosso meio e, resta-nos aqui na terra, fazer os nossos rogos a Deus para que ela tenha uma vida eterna e plena com a alegria e ao seu lado.

Obrigado Marizete pela nossa amizade e pelos seus ensinamentos.

Concluída

Comemorada com alegria a conclusão por parte dos profissionais de Educação Física da rede municipal de ensino, das atividades com relação a Formação Continuada do ano letivo 2019. O professor Marcos Junior Pereira que é o coordenador da área agradeceu a todos os professores pela realização com sucesso destas atividades durante todo o ano letivo. Estiveram presentes na solenidade de encerramento os professores: Nilson Lopes, Carlos Alberto Leite Rolim, Judmacy Ricarte, Ray, Denise, Damares, Wesley Gonçalves e Bruno Albuquerque, além, claro, do coordenador Marcos Junior Pereira.

Agradecimento

Estamos agradecendo a Humberto Lacerda a doação da Camisa dos Poivas que agora fará parte do acervo de camisas dos clubes amadores que fizeram história no futebol cajazeirense. E por falar neste tradicionalíssimo clube, já está tudo definido quanto a mais um encontro dos “Poiveiros” que será realizados nos dias 21 e 22 de dezembro. Dia 21 teremos um jogo chamado o jogo das lembranças e no dia 22 uma confraternização com muito churrasco e uma cerveja bem gelada, além, claro, de muito papo sobre os ricos momentos de todos que fizeram parte desta equipe.

BOLA DENTRO

Para o professor Marcio Ranieri, Coordenador de Educação Física da Regional sediada em Cajazeiras que acaba de completar mais um aniversário. Parabéns nobre amigo. Você é NOTA 10!

BOLA FORA

Para a possibilidade que existe do Treze de Campina Grande ser rebaixado da Série C para a Série D quando do julgamento de ações no STJD. Vixe Maria. NOTA 0!

ELIANE BANDEIRA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.