Lagoa do Arroz apresenta boa recarga de água e Boqueirão de Piranhas chega a 7,3% da sua capacidade


lagoa do arroz

As chuvas têm caído com intensidade em todos os municípios sertanejos, enchendo reservatórios e também causando transtornos à população. Em Cajazeiras e em outros municípios, a exemplo de Bom Jesus, Cachoeira dos Índios e São João do Rio do Peixe, as precipitações têm sido mais fortes, com o registro de transbordamento de barragens de pequeno e médio porte, e o acúmulo de água.

Em Cajazeiras, voltou a chover forte nessa quarta-feira (30): 85 milímetros, durante toda a noite. A última chuva, no entanto, foi de apenas 06 milímetros. O total do ano é de 755 milímetros, já atingindo a média histórica. Há localidades da zona rural, a exemplo do Sítio Almas, que a média já foi superada. Na cidade, o registro de alagamentos em vários novos loteamentos construídos sem a infraestrutura necessária, e a queda de muros de casarões antigos e de prédios públicos. O Açude Grande do centro da cidade voltou a sangrar com uma boa lâmina.

Os dois grandes reservatórios de Cajazeiras, responsáveis pelo abastecimento de várias cidades, estão subindo de volume. Lagoa do Arroz, que abastece as cidades de Bom Jesus, Santa Helena e São João do Rio do Peixe, além de projetos de irrigação, já recebeu muita água nova e está com mais de 15 milhões de metros cúbicos, que representa 19% de sua capacidade. No início do ano esteve com apenas 7%.

Já Engenheiro Avidos, que abastece Cajazeiras, foi o que menos recebeu água nova, mas já teve um aumento de mais de um milhão de metros cúbicos. Seu volume ainda é crítico: até ontem era de pouco mais de 18 milhões de metros cúbicos, que corresponde a apenas 7,3% da capacidade de estoque. A barragem Boa Vista, seu principal afluente, construída no projeto da transposição, já acumula muita água, e se constitui numa reserva importante.

Boqueirão – Continua chovendo muito em Cajazeiras e na região, deixando os rios Piranhas e do Peixe, além dos riachos e pequenos açudes da zona rural, cheios. O açude Grande voltou a sangrar com uma boa lâmina, virando ponto turístico. Açudes que não sangravam há mais de 3 anos, para a alegria dos moradores, transbordaram, a exemplo do açude do distrito do Azevém e Divinópolis. Este último vinha sendo abastecido pela Prefeitura, com carros pipas.

O açude de Boqueirão de Piranhas tomou 3 milhões 468 mil metros cúbicos de água nova. No dia 1º de março estava com 15 milhões 393 mil metros cúbicos de água e ontem, dia 31, estava com 18 milhões 666 mil, que representa 7,3% de sua capacidade, que é de 255 milhões. Esse volume deve continuar aumentando nos próximos dias.

O açude de Lagoa do Arroz recebeu uma recarga de água de 9 milhões 767 mil metros cúbicos de água. No dia 1º deste mês estava com 5 milhões 581 mil metros cúbicos e ontem, quinta-feira, dia 31, estava com 15 milhões 297 mil metros cúbicos de água, que representa 19% de sua capacidade, que é de 80 milhões 220 mil 750 metros cúbicos de água.

Já o açude de São Gonçalo, em Sousa, que abastecia Sousa e o Perímetro Irrigado, aumentou seu volume em 16 milhões 374 mil metros cúbicos de água somente neste mês de março.

No dia 07 estava com 1 milhão 121 mil metros cúbicos e ontem estava com 17 milhões 495 mil metros cúbicos, um acúmulo de água nova de 16 milhões 374 mil, que corresponde a 39,2% de sua capacidade, que é de44 milhões e 600 mil metros cúbicos de água.

Com o açude de São Gonçalo seco a população passou a ser abastecida com água do açude Pintado, cuja água vem da barragem de Mãe D’água, graças a uma adutora emergencial implantada pelo governador Ricardo Coutinho.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *