Dona Lourdes do Cajazeiras Hotel

Personagens que fizeram e que fazem a história de Cajazeiras

A proprietária do Cajazeiras Hotel, Maria de Lourdes Barros, era natural de Cajazeiras, (*1917 / †1998), onde conviveu com os seus irmãos, personagens recentes do nosso cotidiano: Francisco Assis Lira, o Chicão do Bar; José Lira, o Zé Melengau;  Genésio Lira, que se tornou negociante em Mauriti-CE;  Maria, conhecida como Mariinha.

Os pais de Dona Lourdes eram André Vicente Alves e Regina Albuquerque, casal de agricultores, oriundos das Araras.

Do primeiro casamento de Dona Lourdes com Micena Oliveira, que mantinha uma marcenaria, nasceram Mariinha, Francisquinha e Mércia, esta última uma das minhas primeiras paqueras, quando aluna do Colégio Nossa Senhora de Lourdes, motivo este que me fez, de certa forma, um frequentador do Cajazeiras Hotel.

O segundo casamento de Dona Lourdes foi com João Costa Barros, no ano de 1950. Ele mantinha um serviço de transporte coletivo – chamava-se misto ou sopa –  que fazia a linha Cajazeiras / Lavras de Mangabeira, uma vez que o casal havia mantido um pequeno hotel naquela cidade cearense, até o ano de 1956, ano de criação do Cajazeiras Hotel.

Desse segundo casamento, nasceram Silvino Costa Barros, fuzileiro naval;  José Costa Barros, conhecido como Francisco José,  e André Costa Barros Neto, este com um bem montado escritório de advocacia – o BARROS / Advocacia Previdenciária – onde, com os filhos também causídicos, André Costa Barros Júnior  e Alysson de Abreu Barros vêm prestando relevantes serviços a toda a região. André C. B. Neto também é pai de Aline Maria, neuropsicopedagoga e de Alana Maria, empresária.

Com justificado orgulho, André Costa Barros Neto mantém um acervo bibliográfico sobre vultos e fatos ligados à história de Cajazeiras, e exibe documentos comprobatórios de sua procedência genética, onde figuram André Vicente Alves e Regina de Albuquerque Alves, seus avós maternos; Manoel Vicente Alves e Maria da Conceição, bisavós paternos; Sabino Evangelista de Albuquerque e Regina de Albuquerque Alves, seus bisavós maternos. E por aí vai, chegando a João Evangelista de Albuquerque, irmão de Ana Francisca de Albuquerque, a Mãe Aninha, e trisavô de André C. B. Neto.

E quem quiser saber mais e interessar-se por genealogia, que marque uma hora com a consultoria de BARROS / Advocacia Previdenciária e recorde os bons e saudosos tempos de dias vividos em nossa urbe.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *