[DOM JOSÉ GONZÁLEZ] Vínculos entre a Arquidiocese da PB e a Diocese de Cajazeiras: Mãe e Filha


arquidiocese2_800x574

A Arquidiocese da Paraíba celebra, dia 06 de fevereiro de 2014, o Centenário de sua elevação a Arquidiocese, pela Bula “Majus Catolicae Religionis Incrementum”.

Nela podemos ler: “Aproveitando a ocasião (refere-se à criação da Diocese de Cajazeiras) com nossa autoridade apostólica e conhecimento do Arcebispo de Olinda, ao qual no presente está subordinada, como sufragânea, a Diocese da Paraíba, e de pleno conhecimento das partes interessadas, subtraímos à autoridade metropolitana da Arquidiocese de Olinda a referida sede da Paraíba. Conseqüentemente, a elevamos ao grau mais elevado e dignidade perpétua de Igreja Metropolitana, de modo que, de ora em diante, seja denominada Sede Metropolitana, gozando assim de todos os direitos, honras e privilégios, dos quais usufruem as demais Igrejas Metropolitanas e seus cabidos.

À mesma Igreja Metropolitana da Paraíba atribuímos como igreja sufragânea a Diocese de Cajazeiras, recentemente criada, como também a já existente Diocese de Natal, a qual com o assentimento do Arcebispo de Olinda, excluímos de sua jurisdição metropolitana”

A Diocese de Cajazeiras celebra também no mesmo 06 de fevereiro de 2014 seu centenário, pois a mesma bula papal de Pio X a criava nestes termos: “Pio, Bispo, servo dos servos de Deus ad perpetuam rei memoriam. Um crescimento acentuado da religião católica que ainda há poucos anos exigira que a vastíssima Diocese da Paraíba, no Brasil, fosse dividida e dela surgisse uma nova Diocese, a de Natal, assim deste modo torna-se necessária uma nova divisão do território da mesma Diocese da Paraíba, ainda por demais extenso e com sua população aumentada, é necessário um novo desmembramento para que dela surja uma nova e segunda sede episcopal.

Tendo em vista a súplica do senhor Núncio Apostólico no Brasil e do próprio Bispo da Paraíba, no sentido de ser dividida em duas a Diocese da Paraíba e fundada em sua parte ocidental uma nova Diocese de Cajazeiras, que tomará seu nome da cidade, escolhida por sede; nós, que procuramos com todas as forças, desde os tempos mais remotos, promover a salvação eterna dos fiéis a Cristo no orbe inteiro, depois de consultados nossos veneráveis cardeais da Santa Igreja Romana, reunidos em Consistório, resolvemos atender benignamente os pedidos a nós dirigidos.

Por esta razão, no uso do poder a nós reservados e à Santa Sé. . .separamos o atual território diocesano da Paraíba em duas partes, para que dela surja doravante uma nova circunscrição eclesiástica na região brasileira, conforme pareceu-nos ser isto vontade do Senhor.

Preenchidas todas as formalidades, na plenitude do poder apostólico, desmembramos do atual território da Diocese da Paraíba, que tomou seu nome do próprio Estado, em sua parte ocidental, a Diocese independente e distinta de Cajazeiras e a declaramos perpetuamente erigida”.

A seguir a Bula indica os limites das duas circunscrições: “Dividido o atual território diocesano da Paraíba em duas partes, aquela região que fica para o ocidente, no local em que se encontra a cidade de Cajazeiras, será a nova Diocese, do mesmo nome; a região oriental até as margens do oceano, onde se localiza a cidade da Paraíba, será a sede da nova Diocese da Paraíba. O limite entre as duas dioceses será demarcado pela separação das águas entre as paróquias de Santa Luzia de Sabugy e de Soledade, que alcançam as raízes da Serra do Teixeira e daí as divisões da paróquia do Teixeira com as demais paróquias de Patos e a de Piancó, nos limites do Estado de Pernambuco.

Assim, dum mesmo parto, a Bula “Majus Catolicae Religionis Incrementum”, de 06 de fevereiro de 1914, do Papa Pio X, nascem a Diocese de Cajazeiras e a Arquidiocese da Paraíba, que depois continuariam a multiplicar-se até configurar a atual Província Eclesiástica da Paraíba com as cinco Dioceses.

As vicissitudes da criação e escolha da cidade de Cajazeiras como sede da Diocese são um capítulo à parte.

Aqui quisemos ressaltar o primeiro vínculo de comunhão e amizade entre a Diocese de Cajazeiras e a Arquidiocese da Paraíba como filha que reconhece agradecida à mãe seu nascimento e que celebram juntas, jubilosas, seu aniversário, seu centenário.

DOM JOSÉ GONZÁLEZ ALONSO É BISPO DIOCESANO DE CAJAZEIRAS-PB

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *