Dia de Finados

A COLUNA DE RAFAEL HOLANDA

POR RAFAEL HOLANDA

TATYANA
22
AM3 – 250×250

[dropcap style=’box’]N[/dropcap]aquele túmulo repousa alguém que em vida me fez tanto bem. Foi responsável por mostrar as estradas sinuosas que iria compor a minha vida, e por suas mãos eu soube como chegar.

Naquele túmulo repousa parte do meu eu, daquele que inspirou a arte de viver em paz, de trazer verdades pelos caminhos e nunca deixar que eu fosse sozinho, e por seus passos eu caminhei.

Resta agora à saudade, de um adeus ao grande amor, que se encontra em lugares mais elevados, pois os deuses vieram até a mim, contaram a sua alegria espelhada em um lugar sagrado.

Eu não o verei mais, mas quando as chuvas passarem sobre a minha cabeça e o trovão ressoar, eu irei orar e direi: Esta é a voz do meu amor distante.

Quando o outono chegar, e as flores caírem e os furtos brotarem eu direi: este é o milagre do meu amor distante.

Do nascer do sol, e ao poente, do fulgir do vento ao frio de inverno, eu irei orar na certeza absoluta de que esta é mais uma ação do meu amor distante.

Quando os pássaros cantarem a sinfonia do amanhecer e o grilo usar de seus barulhos para embelezar a luminosidade do sol eu irei orar: Esta é a voz do meu amor distante; este é o rasto de sua alma.

E enquanto a vida nos fizer viver, as belas recordações também viverão, pois fazem parte de nós, quando oramos pelo nosso amor distante.

ELIANE BANDEIRA

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.