Deputado Wilson Filho volta a defender criação de Zona Franca do Semiárido


O deputado estadual Wilson Filho (PTB) voltou a defender, agora na ALPB durante sessão na Casa, a criação da Zona Franca do Semiárido. Como parlamentar federal  até o ano passado Wilson já havia levado tal proposta como membro do Parlamento do Mercosul (Parlasul), a Câmara dos Deputados.

“Nesse segundo dia efetivo de trabalho na ALPB, nós estamos preparando as bandeiras que pretendemos levar ao nosso mandato e uma destas é a criação da Zona Franca do Semiárido. Nós apresentamos em 2011, a PEC 19 que cria a Zona Franca e ali na tribuna eu li um artigo da CDL de Cajazeiras no qual essa é á única forma de revolucionar a economia do Sertão, para que o mesmo possa crescer no mesmo ritmo do resto do Estado”, afirmou Wilson destacando que só existe isso na Zona Franca de Manaus.

Para o parlamentar e as peculiaridades dessa região nordestina, quanto a sua condição climática e a situação social da população, são motivos justificáveis para o estabelecimento de uma área de livre comércio. “Além disso, o Brasil tem uma dívida histórica com essa região. Não tenho dúvidas que o desenvolvimento do Semiárido passará pela criação da Zona Franca”, defendeu Wilson.

COM INFORMAÇÕES DO PB AGORA

2 Comments

  1. Avatar
    Roberval Moreira
    22/02/2019

    É chegada a hora de colocar em pratica esse projeto do deputado Wilson Filho que é a zona franca todos os políticos do nordeste deve fazer parte dessa luta que vai mudar definitivamente a Historia do sertanejo que vai deixar de sair do nordeste para mendigar empregos no sul e sudeste do Brasil.

  2. Avatar
    Roberval Moreira
    24/02/2019

    Atenção imprensa de Cajazeiras, e estados que serão beneficiados pela zona franca do semiarido, estou falando do quarto poder que é a imprensa, tem que se unir juntamente com o povo e os políticos desses estados pelo menos uma vez por mês para dar força a esse projeto da zona franca e que vai mudar definitivamente a vida do sertanejo que terá o principal para sobrevivência que o emprego.

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *