Deputado Jeová Campos debate proposta de parceria com a direção da Energisa


Deputado Jeová Campos explica ao diretor da Energisa, André Teobaldo a proposta de parceria

A Paraíba pode se tornar um referencial em formação de mão de obra especializada para atuar no setor de energia renovável. E o primeiro passo neste sentido pode ter sido dado hoje (04), a partir de uma reunião do secretário de Educação da Paraíba, Aléssio Trindade e do presidente da Comissão de Desenvolvimento, Turismo e Meio Ambiente da ALPB, deputado Jeová Campos, com o diretor da Energisa, André Teobaldo. A proposta de instituir um curso profissionalizante para formação de mão de obra capaz de trabalhar com equipamentos e sistemas que utilizam energia renovável foi apresentada ao diretor da Companhia de distribuição de Energia na manhã desta sexta-feira, no escritório central da Empresa, em João Pessoa.

A ideia inicial, explica o secretário de Educação da Paraíba, é implantar o primeiro curso de mão de obra especializada voltada para área de energia renovável na escola técnica de Cajazeiras, que será inaugurada em meados do próximo ano, e também proporcionar um aprendizado itinerante de curso técnico neste segmento, que passaria nas localidades onde há vocação para utilização de recursos naturais renováveis, a exemplo da energia solar e eólica. “A formação profissionalizante estimula o jovem que já não se sente tão atraído pelo ensino médio, e este curso específico tem um mercado bastante amplo e promissor”, destacou Aléssio.

Segundo o deputado Jeová Campos, a ideia surgiu depois da realização de uma audiência pública, no último dia 30 de novembro, na ALPB, onde se  discutiu as mudanças climáticas. Na ocasião, o Diretor Acadêmico de Indústrias do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte- IFRN, Augusto César Fialho apresentou um projeto pioneiro desenvolvido pela instituição de aproveitamento da energia solar fotovoltaica, implantado desde dezembro de 2013, na reitoria da instituição e, posteriormente, em sete, dos 21 campus da IFRN, com muito sucesso. “Esse projeto nos chamou atenção não apenas pelo uso inteligente da energia solar, mas pela oportunidade que surge no mercado de trabalho que terá, cada vez mais, necessidade de mão de obra especializada neste setor que é a saída energética mais viável e ecologicamente correta que teremos num futuro muito próximo”, argumenta Jeová. Ele explica que a escolha da escola técnica de Cajazeiras, para sediar o projeto piloto, se deu em função do alto potencial de incidência solar da região.

O diretor da Energisa se mostrou entusiasmado com a ideia e pediu estudos mais conclusivos sobre o projeto para ver a viabilidade de parceria com o Estado. “A ideia de implantação deste curso profissionalizante é singular e nos interessa. Aliás, os projetos educacionais que tenham cunho social e estimulam o desenvolvimento das pessoas interessam a nossa empresa, que tem recursos específicos para investir em projetos sócio/educacionais”, destacou André Teobaldo. Segundo Jeová, a parceria com a Energisa viabilizaria a implantação do laboratório de estudo e pesquisa da futura escola técnica de Cajazeiras, além da estrutura móvel dos cursos profissionalizantes itinerante.

Ainda segundo Jeová, outras possibilidades de investimentos na área de energia renovável estão sendo estudadas pelo Governo do Estado, a exemplo da instalação de uma fábrica de condutores de energia solar e outra de fabricação e montagem de painéis solares. “Esse é o futuro e um futuro muito próximo, Os cientistas da COP 21 já anunciaram que até 2050 teremos que acabar com a utilização dos combustíveis fósseis se quisermos garantir a vida no planeta. Precisamos nos preparar para isso e a formação de mão de obra qualificada e especializada no setor de energia renovável é uma dos caminhos mais importantes na busca desta autonomia e aproveitamento pleno do que a natureza nos proporciona gratuitamente, como a energia solar e eólica”, finaliza Jeová.

NEWS COMUNICAÇÃO

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *