Categorias
DEU NO GAZETA

[2002] SINFUMC pede intervenção em Cajazeiras

[dropcap style=’box’]O[/dropcap] Sindicato dos Funcionários do Município de Cajazeiras (SINFUMC), está solicitando ao Desembargador Presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, através do processo nº 19990002776-6, o sequestro de valor necessário ao pagamento da diferença salarial do que recebiam os servidores da prefeitura e o salário mínimo vigente, no período compreendido entre fevereiro de 1994 e dezembro de 1998, ou a intervenção pura e simples no município.

Em arrazoado de cinco páginas assinado pelos advogados Jeová Vieira Campos e José Jocerlan Maciel, o Sinfumc argumenta que tão somente deseja que se cumpra determinação judicial por parte da edilidade, que vem procrastinando o assunto.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS – ANO 4 – ED. 178 (17 A 23/05/2002)
Categorias
DEU NO GAZETA

[2002] Justiça torna vereador inelegível e ainda pode cassar-lhe o mandato

[dropcap style=’box’]O[/dropcap] vereador Kleber Lima (PDT), através de sentença judicial prolatada pelo juiz eleitoral da 68ª Zona, Edivan Rodrigues Alexandre, está inelegível pelos próximos três anos e pode ainda perder seu mandato.

A condenação do vereador deveu-se a ação de investigação judicial eleitoral patrocinada pela Coligação 100% Renovação, formada pelo PDT, PSB, PTB, PFL e PT, e que tinha como candidato a prefeito o médico Carlos Antônio Araújo de Oliveira, que comprovou “ato de captação de sufrágio por meio escuso”.

O fato denunciado pela Coligação 100% Renovação ocorreu no dia 11 de setembro de 2000, quando a eleitora Lidiana da Silva Feitosa procurou o candidato Kleber Lima para que ele lhe desse uma ajuda para comprar uns comprimidos de Citotec que seriam usados no tratamento de úlcera. O candidato então lhe deu uma ordem, por ele assinada, para pegar o medicamento na Farmácia São Paulo, de Francimar. Lidiana conta, inclusive, que estava naquele momento acompanhada de uma pessoa de nome Diana Lacerda. Ao se dirigir à citada farmácia, a jovem foi procurada por um tal de Porciano, que se fazia acompanhar de Nilvan Ferreira e Joãozinho, que seria o motorista do candidato a prefeito Carlos Antônio. Nilvan Ferreira teria “trocado” a ordem do medicamento por um cheque de R$ 120,00. Cheque este que Joãozinho teria ido trocar e que até hoje a jovem não recebeu.

Segundo Lidiana, “a ordem dada pelo candidato a vereador Kleber Lima era para que ela votasse nele nas eleições municipais”.

Na sentença, diz o juiz: “a conduta imputada ao candidato a vereador Kleber Lima restou devidamente comprovada nos autos. Com efeito, o depoimento da eleitora Lidiana da Silva Feitosa é conclusivo acerca do ato de captação de sufrágio por meio escuso”. E finaliza: “ante o exposto, julgo procedente o pedido contido na representação, para declarar a inelegibilidade do representado Kleber Lima pelo prazo de três (03) anos.

PERDA DE MANDATO

Além de estar inelegível por três anos, o vereador Kleber Lima (PDT) poderá perder seu mandato, o que, aliás, foi o motivo principal da ação da Coligação 100% Renovação. Para tanto, o juiz Edivan Rodrigues Alexandre (foto) remeteu cópias de todo processo ao Ministério Público Eleitoral.

Na sua sentença, a respeito disso, diz o juiz: “desta forma, embora o representante se refira a cassação do mandato parlamentar do representado, tal pedido não pode ser atendido em sede de ação de investigação jdicial eleitoral (AIJE), pois nesta só pode o juiz eleitoral analisar a sua procedência e aplicar a sanção da inelegibilidade, competindo ainda remeter cópia de todo o processo ao Ministério Público Eleitoral para fins de requerer justamente a cassação do mandato em sede de ação de impugnação de mandato eletivo (AIME).”

GAZETA DO ALTO PIRANHAS – ANO 4 – ED. 179 (24 A 30/05/2002)
Categorias
DEU NO GAZETA

[2002] Desempregado, pai leva cobra para filhos comerem

[dropcap style=’box’]N[/dropcap]ão se trata de nenhum filme de ficção, nem tampouco estamos na Biafra, ou em qualquer outro país pobre do continente africano. O drama real se passou em Cajazeiras. Desempregado há mais de seis meses, casado e pai de quatro filhos, José Paulino Barbosa (33 anos) conseguiu uma cobra gibóia com quase dois metros de comprimento para ser o alimento de sua família durante alguns dias, há pouco tempo.

Ajudante de pedreiro, José Paulino não consegue serviço há tempos e, desde então, tem passado um sufoco muito grande para conseguir alimento para sua casa. A mulher, Maria José da Silva (23 anos), também desempregada, se desespera ao ver o marido desempregado e os filhos J.M. (12), D.S.B (13), M.S.B. (9) e L.S.B. (5) pedindo comida, sem ter o que lhes dar.

“Quando estamos zerado de tudo, coloco as crianças defronte a televisão para que elas se entretenham até cansarem e dormirem, e assim esqueceram da comida”, disse o pai.

Morador do conjunto Mutirão, na Zona Norte da cidade, José Paulino Barbosa contou ao Gazeta que vendo a falta de comida em sua casa, decidiu tentar pescar algum peixe de açude para alimentar seus filhos. “Fui com uns amigos pescar”, contou, mas a pescaria não deu em nada, Nenhum peixe sequer. Na hora de retornarem, seus amigos viram a cobra gibóia e mataram-na para dar-lhe para comer.

Chegando em casa com a cobra, conta ele, sua mulher ficou doida e não queria que o marido preparasse o animal para a comida. Mesmo assim, “contei um palmo da cabeça e um palmo do rabo da cobra e cortei para depois limpar e tirar o couro; minha mulher não quis comer com medo de ser envenenada, e eu disse que se eu e meus filhos morrêssemos por termos comido a cobra, pelo menos ela estaria viva para contar a história”.

Tendo feito o procedimento correto para a preparação daquele animal peçonhento, José Paulino e os quatro filhos estão vivos mas não satisfeitos. Afinal, nem todo dia encontrarão uma cobra para se alimentarem.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS – ANO 4 – Nº 181 (07 A 13/06/2002)
Categorias
DEU NO GAZETA

[2002] Obras de urbanização do Açude Grande ainda não começaram

[dropcap style=’box’]A[/dropcap]pesar do anúncio feito pela Secretaria Municipal de Planejamento, de que os recursos para a primeira etapa do projeto de urbanização do Açude Grande de Cajazeiras estavam assegurados, até o momento as citadas obras não foram iniciadas.

O Gazeta tentou ouvir o secretário de Planejamento, Edmundo Lacerda, mas não conseguiu localizá-lo. Na Secretaria de Planejamento, quem se dispôs a falar sobre o assunto foi o desenhista Nonato Saraiva. Ele disse que os recursos federais, na ordem de R$ 230 mil, já estão liberados, mas há, ainda, algumas etapas burocráticas a serem vencidas.

Nonato Saraiva garantiu que a Prefeitura Municipal de Cajazeiras, através da Secretaria de Planejamento, já preparou toda a documentação necessária para atender as exigências dos órgãos financiadores. Ultimamente, segundo informou, foram feitos os projetos elétrico e hidrossanitário, pelos engenheiros, respectivamente, Stanley Lira e Adailton Mangueira.

Nonato Saraiva revelou que o projeto inicial de urbanização do Açude Grande está orçado em R$ 720 mil e que a verba conseguida de R$ 230 mil será gasta na primeira etapa da obra, que consistirá na construção de um calçadão em frente ao antigo Clube 1º de Maio, e uma quadra poliesportiva, que ficará localizada no antigo Casarão, com alambrados removíveis para a prática de eventos, além de um aterro de 25 metros.

O desenhista informou que o arquiteto responsável pelo projeto de urbanização do Açude Grande, Eliézer Filho, estará em Cajazeiras, no início do próximo mês, para participar da programação da Semana do Meio Ambiente, oportunidade em que fará o lançamento solene do referido projeto, idealizado há quase dez anos.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS – ANO 4 – Nº 180 – 31/05/A/06/06/2002
Categorias
DEU NO GAZETA

[2001] Zé Aldemir ainda sonha ser federal

Ex-deputado tem se dedicado, nos últimos dias, a elaborar tabelas e gráficos

[dropcap style=’box’]O[/dropcap] ex-deputado José Aldemir Meireles (PSB) ainda não desistiu de seu projeto de voltar à Brasília como deputado federal, embora o quadro da disputa nas eleições do próximo ano não se lhe apresente muito favorável.

Nas conversas que vem mantendo com amigos e correligionários, o ex-deputado Zé Aldemir tem repetido que seu desejo é voltar ao Congresso Nacional, onde ele acredita que pode reunir muito mais condições de trabalhar pela Paraíba e pela sua região.

Disposto a ir até as últimas conseqüências para lutar pelo seu sonho, Zé Aldemir tem se dedicado, nos últimos dias, a elaborar tabelas e gráficos sobre a possível evolução do quadro de disputa pelas 12 cadeiras que a Paraíba tem direito na Câmara dos Deputados e as perspectivas de cada partido ou coligação.

Numa última avaliação, Zé Aldemir acredita que a coligação PSB/PL pode criar condições para eleger até dois deputados federais e, neste caso, ele acredita que teria chances de se eleger com certa facilidade.

O problema, segundo a avaliação do ex-deputado Zé Aldemir, estaria em três outros fatores combinados que precisariam ser colocados a seu favor. O primeiro seria a definição de um “respeitável” número de lideranças de Cajazeiras e de outros municípios da região do Alto Piranhas em torno de uma campanha de pregação para o eleitor votar em candidatos “da terra”. Numa outra ponta, Zé Aldemir gostaria de ver o empresário Raimundo Lira como candidato a senador na chapa do prefeito Cássio Cunha Lima, que pode representar a abertura de novas áreas de atuação política. Por último, Zé Aldemir espera que a coligação PSB/PL receba a adesão de outros partidos para garantir a conquista de duas ou mais vagas de deputado federal.

Se os ventos da política não ajudarem a empurrar esses três fatores em busca de sua “praia”, o ex-deputado José Aldemir deve ser apenas candidato a deputado estadual.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS – ANO 3 – Nº 157 (21 a 27/12/2001)