Carne de lebre

A COLUNA DE IVÂNIA CRISTINA LIMA MOURA

Lá pelos anos 150, sim, isto mesmo, cento e cinquenta depois de Cristo, viveu um médico romano de origem grega chamado Cláudio Galeno. No período greco-romano, naquelas paragens, a medicina se aliava à filosofia. Era bastante comum, portanto, que os filósofos se interessassem pela missão médica e vice-versa. Foi o caso do nosso citado amigo Cláudio ou Claudius em latim.

Devemos muito a esses médicos investigadores, como eram denominados. Foram deles os primeiros escritos, ou seja, a doença na sua forma registrada, a pesquisa na sua forma perpetuadora do conhecimento, o saber na sua forma de auxílio aos profissionais do futuro.

Herdamos do fazer investigativo de antigamente a arte de buscar na natureza nossos medicamentos mais apropriados. Os três reinos à disposição: vegetal, animal e mineral, com seus micro-organismos curadores. Os estudiosos se debruçavam nesse aparato divinizado para encontrar as soluções para os problemas físicos. E ainda há muito o que se descobrir e estudar.

Uma doença que começou a ser detectada e esmiuçada na época foi a tuberculose. De tísica era chamada pelos médicos, à luz de Hipócrates, o pai grego da medicina. É para ele toda a glória científica relacionada aos estudos mais detalhados e oferecidos à sociedade daquele contexto. Algumas correntes historiográficas divergem, e isso é louvável. Divergir com elegância é bom. Alguns dizem que os latinos distorceram o arcabouço hipocrático; outras dizem que os dois se complementaram. Mas, independentemente disso, o diagnóstico era aquele que já conhecemos: uma espécie de supergripe, que pode levar à total interrupção dos canais respiratórios e, por consequência e gravidade, os sanguíneos.

De acordo com o também Cláudio, o professor Cláudio Bertolli Filho, autor de História Social da Tuberculose e do Tuberculoso (1900-1950), o receituário greco-latino ganhou a dimensão de verdade sacramentada. Para encontrar a sonhada cura, o paciente era submetido a certos remédios, que podem parecer estranhos: pulmão de lobo cozido em vinho, acompanhado de uma bebida composta de bile de urso, saliva de cavalo e mel. Outros receitavam carne de lebre e de caracol e a combinação de pó de chifre de cervo e um pouco de terra da ilha de Samos: tudo isso diluído em vinhos de murta. O leite, especialmente de origem bovina, complementava quaisquer descrições medicamentosas. Mais uma forma de tratamento: a aplicação de substâncias extraídas do pinho e da mirra e chás de licorice (liquorice ou alcaçuz), violeta, hissopo e pulmonária. A climatoterapia também era uma solução: consistia em migrar o paciente para um local quente e seco.

E quando a doença alarmante se instalou no Brasil, no início do século 20, em atuação estavam os heróis do Movimento Sanitarista. Mas isso só cabe mesmo noutra crônica. Desejo saúde para todos.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *