ASA realiza ato pelo semiárido


O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) não renovou aditivo com a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA), para continuidade dos programas P1MC e P1+2, para construção de cisternas nas comunidades rurais. Segundo justificativa recebida pela entidade, o governo está revendo seus arranjos para execução exclusiva com Estados e Municípios no Plano Brasil sem Miséria. Para protestar contra decisão, a entidade organiza ato público para o próximo dia 20, em Petrolina (PE).

A coordenadora executiva da ASA, Cristina Nascimento, explica que a Articulação entende isso como uma ruptura do processo construído, embora o MDS declare publicamente não ser. “O Ministério não tem nenhuma proposta clara e publicamente expressa de qual é a relação de parceria que quer manter com a ASA. Então, nesse momento, nós nos encontramos sem parceria estabelecida e sem perspectiva de que parceria seria essa”.

Para o semiárido brasileiro, Cristina explica que existem dois tipos de impacto; no caso do econômico-produtivo, o debate da agroecologia e o trabalho com agricultores experimentadores e famílias para produção de alimentos. As ações ampliadas para implantação de tecnologias estão paralisadas desde novembro, quando o recurso do P1+2 foi interrompido.

Outro impacto destacado é o social, pois os programas da ASA também trabalham a mobilização local e relações sociais, gerando trabalho – por exemplo, o agricultor que vira pedreiro – e ocasionando a perda de uma dinâmica econômica dos Municípios.

Clique aqui para ler a reportagem completa no Diário do Nordeste

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *