A história do Trio Uiraúna


trio-uirauna

Tudo aconteceu na década de 60. Todas as noites algumas pessoas, entre elas meu pai, Deca de Felicíssima, se reunia na calçada da casa de Tio Zéu Fernandes, pai de Marconi, para conversar, enquanto nós meninos aproveitávamos para brincar no terreiro por não ter nada melhor para fazer. A oficina do Tio Zéu  ficava ao lado da casa e era muito frequentada .  Muita gente o procurava para concertar os motores dos engenhos durante a época de moagem e além, disso, os poucos carros com problemas eram trazidos para lá.

Um belo dia fomos surpreendidos por Tio Zéu entrando em casa com uma sanfona de 12 baixos nos braços e entregando a Marconi que em pouco tempo começou a emitir as primeiras notas no instrumento. Eu ficava vendo e ouvindo todos os dias o desenrolar desse aprendizado e percebi que logo ele já era capaz de acompanhar músicas do Trio Nordestino que faziam sucesso nessa época. Comecei a cantar e ele começou a me acompanhar. Foi daí que tivemos a ideia de convidar Teluz, filho de Antonio Branco para tocar triângulo. Surgiu assim o Trio Uiraúna: Antonio de Pádua no Zabumba e voz, Marconi na Sanfona e Teluz no Triângulo, tocando as músicas do Trio Nordestino e vestindo a caráter as roupas típicas como: Camisa xadrez, chapéu de couro, lenço no pescoço e revolver com cartucheira numa verdadeira imitação do Trio Nordestino.

Durante o dia os ensaios eram assistidos por uma  pequena plateia familiar e assídua, formada por meu pai, (Deca de Felissíma), o pai de Marconi (Zéu Fernandes) e os parentes.  Durante a noite a conversa da calçada foi substituída pelos ensaios na sala. Sempre que chegavam as visitas, o trio era chamado para tocar fazendo uma verdadeira recepção aos visitantes.

Quando brigávamos, Tio Zéu chegava irritado da oficina mandando cada um ir para sua casa e quando indagado pelo trio ele dizia energicamente: “Tá acabado”. Depois que o sangue  esfriava, ele começava a pensar e dizer: “É tão bonzinho o trio! Vão chama os meninos pra começar de novo”! Isso aconteceu por muitas vezes!

Era uma das coisas boa na nossa infância, em plena época de ditadura militar. Alegrava muito a todos!

Durante uma festa de São João, Uiraúna, o Trio foi presença marcante. Chegou a se apresentar nas rádios Alto Piranhas e Difusora nos programas de grandes audiências, levado pro Joaquim Costa, prefeito da época que presenteou o Trio com adoção de um Zabumba novo. O Trio tocou na Cidade de Luís Gomes a convite do Pe. Osvaldo, fazendo uma bela apresentação e em vários outros locais  e no ápice do sucesso, tocou no Clube fazendo a abertura do Show do Trio Nordestino que fazia muito sucesso e o Trio Uiraúna era considerado uma miniatura desse trio. Ainda me lembro de que o Show marcado para a noite transferido para o Domingo pela manhã por causa de uma grande chuva que causou um apagão na hora prevista. O Clube estava lotado e o Trio Uiraúna recebeu aplausos até mesmo do Trio Nordestino que ficou encantado com a apresentação.

Quando o trio acabou cada um seguiu a carreira musical. Antonio de Pádua, Marconi e Teluz  entraram para Historia de Uiraúna com as três crianças que foram espelho para uma grande geração de músicos!

ANTONIO DE PÁDUA PARA O CLARIM UIRAUNENSE

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *