[2002] Atlético é o campeão do futebol paraibano

Das páginas do Gazeta do Alto Piranhas para a posteridade

Faltava apenas a partida contra o Campinense para, em campo, o Atlético levantar a Taça de Campeão do Futebol Paraibano. O Atlético chegara a última rodada da competição precisando apenas de vencer para ratificar a conquista do título estadual.

Com 16 pontos ganhos, o Trovão Azul poderia até empatar para ser campeão. O Campinense não apareceu, fez feio, manchou sua imagem de clube de ponta do futebol nordestino e preferiu continuar em Itabaiana a ter que vir a Cajazeiras para cumprir a tabela do Campeonato Paraibano.

Alheio a tudo isso, o Atlético cumpriu a tabela, entrou em campo e esperou o tempo regulamentar.

ESTÁDIO LOTADO

Foi a segunda vez, em menos de quinze dias, que a torcida do Atlético superlotou o Perpetão, obrigou os dirigentes a fecharem os portões de acesso à arquibancada principal mais cedo e foi mostrado aos nossos políticos que já se faz necessário a construção de um segundo lance de arquibancadas para a nossa principal praça de esporte.

A torcida do Mais Querido do Sertão demonstrou que ama o seu clube e que os resultados alcançados pelo seu time necessitavam do seu apoio.

No jogo frente ao Sousa, tivemos uma arrecadação de mais de R$ 10 mil e o mesmo aconteceu no domingo quando o Atlético iria enfrentar o Campinense. A torcida fez realmente a sua parte, apoiando o time em todos os momentos decisivos desta campanha vitoriosa.

CAJAZEIRAS PAROU PARA COMEMORAR O TÍTULO

Tão logo o árbitro Genival Júnior deu por encerrado o jogo Atlético e Campinense, a cidade de Cajazeiras parou para festejar o primeiro título de Campeão de Futebol do Estado da Paraíba.

Ainda no Estádio Perpetão, foi montado um pódio aonde os jogadores receberam das mãos do delegado da Federação Paraibana de Futebol, jornalista Geraldo Varela, o troféu oficial de campeão e um outro ofertado pelo prefeito da cidade, Dr. Carlos Antônio, homenageando o ex-governador Wilson Leite Braga, em gratidão ao que ele fez pelo futebol de Cajazeiras. Além de construir o Perpetão, Braga foi o político que trouxe o ex-Nacional de Cabedelo para ter a sua sede em Cajazeiras.

Após as solenidades oficiais acontecidas no Estádio Perpetão, os jogadores e demais autoridades saíram em dois trios elétricos em uma grande passeata pelas principais ruas da cidade até à Praça João Pessoa, aonde a festa só terminou nas primeiras horas da segunda-feira.

Os jogadores e demais membros da comissão técnica foram aplaudidos pelos cajazeirenses que superlotavam as ruas e avenidas da cidade.

GAZETA DO ALTO PIRANHAS – ANO 4 – ED. 190 (02 a 08/08/2002)

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *